sábado, 1 de maio de 2010

Desconexão


De repente, tudo me pareceu tão pequeno. Minúsculo, quase microscópico. Aquilo que tenho julgado angústias sazonais, que me consome versos. Falta de grana, amores mal resolvidos, tempo corrido, saúde debilitada, a falta de companhia.  Pessoas frias, sempre apressadas como eu, que me atravessam os dias, a garganta seca, o coração aflito. A falta de palavras para um emaranhado de estórias que ouço, mas não escuto. Não tenho escutado nem mais minha voz. E ando precisada de fisioterapia para respirar melhor, terapeuta e cardiologista. Ao longe, só um zumbido. E a vontade voraz de envelhecer.

13 comentários:

Postar um comentário